Artigo

1º leilão diamantes brutos em Angola promotores arrecadam 16,7 milhões de dólares

117 Visualizações

LUANDA, 31 DE JANEIRO DE 2019 – Com o 1º Leilão de Diamantes Brutos realizado em Angola, os seus promotores arrecadaram cerca de 16,7 milhões de USD.

Terminou ontem, em Luanda, o 1º Leilão de Diamantes Brutos realizado em Angola no âmbito  da implementação da Política de Comercialização de Diamantes, aprovada pelo Decreto Presidencial nº175/18, de 27 de Julho de 2018.

Organizado pela SODIAM EP, este leilão contemplou a venda de um lote de sete pedras especiais, provenientes da Sociedade Mineira do Lulo, com peso de 43,25 a 114,94 quilates.

Entre elas, destaque para uma com 46 quilates, denominada “pink” ou pedra rosa. O modelo escolhido para a sua realização foi o de um “leilão por concurso” – normalmente designado por Tender, no qual as empresas participantes apresentaram as suas licitações em modelo fechado, por se tratar de um modelo que permite obter maior valor para as pedras  em leilão. As licitações foram feitas on-line, numa plataforma electrónica criada e desenvolvida para SODIAM para o efeito (www.sodiamsales.com), na qual as empresas participantes se registaram previamente.

Participaram no leilão 31 empresas, provenientes de oito países, designadamente Angola,
Bélgica, Emirados Árabes Unidos, Índia, Estados Unidos da América, África do Sul, Israel e
China.
O montante total arrecadado com este primeiro leilão foi de 16.696.696,27 milhões de
dólares ( ou dezasseis milhões, seiscentos e noventa e seis mil e seiscentos e noventa e
seis dólares e vinte cêntimos). As empresas vencedoras com as maiores licitações foram a
Arslanian Group DMCC, Blue Glacier Diamonds, Kapu Gems, Shree Ramkrishna Export Pvt
Ltd, M.B.D. BVDA, Julius Klein Group.

Diamantino Pedro Azevedo, Ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, sublinha a importância deste 1º Leilão de Diamantes Brutos e o momento histórico que representa para  Angola. “Os resultados obtidos deixam o Governo, o Ministério e todas as entidades
envolvidas deveras satisfeitas. Quer pelo resultado obtido, quer pela forma eficiente, profissional e transparente em que assentou todo o processo”, revela o Ministro dos Recursos Minerais e Petróleos.

Para Eugénio Bravo da Rosa, Presidente do Conselho de Administração da SODIAM, este primeiro passo não poderia ter corrido melhor, atendendo ao curto espaço de tempo em que foi preparado. “O primeiro leilão de diamantes brutos em Angola, realizado pela SODIAM em estreita articulação com o MIREMPET, a ENDIAMA, a Sociedade Mineira do
Lulo e a sua acionista Lucapa Diamonds, foi um sucesso. Quer em termos do resultado
financeiro obtido, quer da adesão das empresas e dos players que participaram, quer ainda
pela imagem de eficiência e transparência que projectou do nosso país”, afirma Eugénio
Bravo da Rosa.

O Presidente da ENDIAMA EP, José Ganga Júnior, que participa neste leilão enquanto concessionária e enquanto accionista da Sociedade Mineira do Lulo, sublinha que “este leilão simboliza para nós um inequívoco sinal de abertura de Angola aos investidores do sector, reunindo qualidade, transparência e regras de mercado livre, em linha com os
padrões internacionais”.

Stephen Wetherall, CEO da Lucapa Diamonds, accionista de referência da SOCIEDADE
Mineira do Lulo, congratula-se com o resultado obtido, sobretudo porque “os preços
oferecidos pelo grande número de players internacionais que participaram neste histórico
leilão em Angola reflectem o verdadeiro valor dos diamantes da Sociedade Mineira do Lulo.
O valor adicional obtido neste leilão resulta das principais reformas que estão a ser
eficazmente implementadas em Angola no domínio da comercialização de diamantes.
Esperamos ansiosos pela oportunidade de participarmos na realização de outros leilões, ao
longo deste ano, para os quais traremos mais diamantes excepcionais do Lulo, ao abrigo da
nova lei e do novo regulamento de comercialização de diamantes, cuja implementação está
a ser feita de forma exemplar”.

Recorde-se que este 1º Leilão de Diamantes Brutos em Angola foi apresentado publicamente em Luanda no dia 28 de Janeiro, pelo Ministro dos Recursos Naturais e Petróleos, numa cerimónia organizada pela SODIAM.

Na ocasião, Diamantino Pedro Azevedo, salientou o facto de a Política de Comercialização
de Diamantes e o Regulamento Técnico de Comercialização de Diamantes – os instrumentos jurídicos que tornaram possível a realização deste leilão nos termos definidos
para o efeito – terem sido “orgulhosamente pensados, debatidos e elaborados por uma
Comissão Técnica, composta totalmente por gestores e quadros nacionais, das principais
entidades intervenientes neste processo (MIREMPET, SODIAM, ENDIAMA e Comissão do
Processo Kimberley), que trabalharam com afinco, de modo a aferir as melhores práticas e
os mais eficazes modelos de compra e venda de diamantes”.

Na mesma ocasião, Bravo da Rosa, Presidente da SODIAM, lembrou que a apresentação
pública deste leilão representa um marco no “esforço que vimos desenvolvendo no sentido
de se implementarem melhorias na forma como o negócio de comercialização de diamantes
é realizado”. O mesmo responsável enfatizou ainda os objectivos desta nova política, com

esta nova atitude nacional face ao funcionamento do sector: “Maior nível de transparência,
modernização e introdução de novas tecnologias para o desenvolvimento da actividade de
comercialização, são o caminho para a obtenção de maior credibilidade, eficiência e renda
para as empresas mineiras, e para o Estado”.
****
SOBRE A SODIAM
A SODIAM E.P. é o órgão público responsável por todo o processo de comercialização
(compra, venda, importação e exportação) dos diamantes em Angola. Acumula esta função
com a tarefa da aquisição pública de minerais estratégicos à luz da Política de
Comercialização de Diamantes.
Em Novembro de 2017 foi nomeada uma nova Administração liderada por Eugénio Bravo
da Rosa como Presidente do Conselho de Administração. A implementação de boas práticas
no mercado de comercialização de diamantes em Angola, a atracção de novos players
internacionais, e a melhoria da contribuição fiscal do sector para o Estado Angolano são as
grandes prioridades deste Conselho de Administração.

 

Fonte: Platinaline

Deixe uma resposta