Artigo

Faltam 4 mil professores na província de Luanda

119 Visualizações

A província de Luanda tem um défice de quatro mil professores, que caso sejam admitidos, deverão ajudar a colocar 40 mil crianças que se encontram fora do sistema de ensino.

O director do Gabinete de Educação de Luanda, André Soma, que prestou a informação, no acto que marcou os festejos do Dia do Educador, celebrado ontem, salientou que foram já apresentadas as necessidades de enquadramento de mais professores ao Ministério de tutela.
Em seu entender, a satisfação dessa necessidade está dependente da  política geral do Executivo, que deverá anunciar quando e como enquadrar os novos professores.
Segundo André Soma, algumas escolas de Luanda  têm dificuldades de carteiras, quadros e materiais didácticos. Outras, por estarem degradadas, precisam de reabilitação  completa, enquanto outras precisam apenas de reabilitação parcial. O director do Gabinete da Educação em Luanda, disse que as escolas da província estão a funcionar em pleno, apesar da falta de material, o que o leva a acreditar  que o ano lectivo 2017 vem a terminar com cerca de 75 por cento de aproveitamento.
André Soma acha que a percentagem de aproveitamento não é suficiente ,porque, em seu entender, “vê-se  muitas crianças com pouca qualidade, por isso, estamos a trabalhar para que percentagem numérica corresponda com a qualidade que todos nós  almejamos”.

Formação e apoio pedagógico na mira da ministra

A ministra da Educação, Maria Cândida Teixeira, disse ontem, em Luanda, que o seu sector vai, a partir de agora, implementar  uma nova política  de formação de professores, apoio pedagógico  e incentivos ao seu desempenho, visando a elevação das suas habilidades e maior dedicação ao trabalho. Maria Cândida Teixeira que discursava por ocasião do Dia Nacional do Educador, assinalado ontem, frisou que a capacitação  contínua dos professores é um imperativo para que estes quadros se sintam cada vez mais  valorizados e contribuam   para a melhoria significativa do ensino primário e secundário no país.
“Porque  educação de qualidade exige professores bem formados, e para isso, estes docentes  precisam ter em posse  todas as ferramentas necessárias  para desempenharem  condignamente a sua nobre missão de ensinar”, sublinhou a ministra da Educação.
A ministra fez também uma chamada de atenção aos gestores de escolas, para trabalhar com vista a introduzir inovação na sua actividade diária, dando primazia ao mérito e à valorização do desempenho dos professores .
Segundo Maria Cândida Teixeira, para se atingir a qualidade à nível do ensino, é necessário que se elimine o espírito de rotina,  a  acomodação profissional, que se tem observado em muitas escolas.  “Em relação aos tutores que acompanham os estágios pedagógicos, estes devem igualmente estar devidamente qualificados, a fim de orientarem bem  os estagiários, evitando assim que certifiquem  pessoas sem o perfil almejado” acentuou a ministra.

Fonte: Jornal De Angola

Deixe uma resposta