Artigo

Isabel dos Santos “questiona” acordo da Sonangol com Total: Franceses querem postos de combustível mais lucrativos

113 Visualizações

Se para o ministro da Comunicação Social a assinatura de vários acordos de cooperação entre a Sonangol e a Total, incluindo uma ‘joint-venture’ para a importação e distribuição em Angola de produtos refinados do petróleo, é uma “excelente notícia”, para Isabel dos Santos o negócio tem mais que se lhe diga.

Reagindo a uma mensagem publicada por João Melo no Twitter, em que o governante classifica de “excelente notícia” o anúncio de novos investimentos da petrolífera Total em Angola, a ex-presidente do conselho de administração da Sonangol escreveu: “85% do lucro da Sonangol Dist. [Distribuidora] vem de 75 postos de abastecimento. E são estes que a Total pediu para ficar com eles”.

Sem apresentar mais dados, Isabel dos Santos encerra a mensagem como quem promove uma novela. “Vamos ver os próximos capítulos”, desafia a empresária, sugerindo que o tempo se encarregará de trazer mais luz sobre o compromisso que envolve a Total e a subsidiária da Sonangol para a distribuição de combustíveis refinados.

Refira-se que as petrolíferas angolana e francesa assinaram vários acordos para o relançamento da indústria petrolífera em Angola, melhorar a distribuição dos produtos refinados e baixar os seus preços.

Pela Sonangol assinou o acordo o seu presidente do Conselho de Administração, Carlos Saturnino, enquanto pela petrolífera Total assinou o director-geral, Patrick Pauyowné.

“Assinámos vários acordos no âmbito do relançamento da cooperação entre a Total e a Sonangol de maneira a relançarmos a actividade da indústria petrolífera de forma global”, disse na cerimónia de assinatura dos acordos realizada na segunda-feira, em Luanda, o responsável pela petrolífera angolana.

 

Fonte: Angop

Deixe uma resposta