Artigo

“Sou a Lucinda, por favor ajudem-me”

59 Visualizações

Lucinda Manuel, 20 anos, aguarda há cinco anos por uma junta médica para ser submetida a uma intervenção cirúrgica na África do Sul, para a substituição do fémur da perna direita, depois de, em 2012, ter partido o osso quando brincava com as amigas.

Em declarações ao Luanda, Jornal Metropolitano, o médico ortopedista Jeremias José Ernesto disse ser um caso complicado que exige mesmo um trans- plante do osso no exterior do país.

A situação de Lucinda Manuel, explicou, requer um estudo aprofundado antes da operação cirúrgica, na medida em que os exames de Raio X revelaram lesões severas no fémur. “O osso está totalmente destruído. Se fosse uma paciente normal, ela ia para a África do Sul, onde seria colocado um osso novo. Mas antes é necessário fazer um estudo para ver se é compatível e pela patologia dela se é viável à operação cirúrgica”, explicou.

No relatório enviado à Junta Nacional de Saúde, Jeremias José Ernesto explica que a paciente possui antecedentes de anemia falcifome, fractura do colo do fémur esquerdo com mais de dez anos de evolução, osteomielite, ou seja, inflamação e destruição do fémur direito, com fractura patológica há mais de cinco anos.

“A doente foi diagnosticada com osteomielite crónica do fé- mur direito, fractura antiga do colo do fémur esquerdo. Devido a complexidade do caso, sugerimos que seja submetida a sequestectomia, alongamento do fémur direito e artroplastia total da anca esquerda numa unidade especializada no exterior do país”, lê-se no relatório.

Solução dentro de 30 dias

Uma fonte da Junta Nacional de Saúde garantiu que, dentro de 30 dias, Lucinda Manuel pode ser enviada para a África do Sul para ser operada ao fémur.

O caso dela, acrescentou, é prioridade, na medida em que já foi avaliada pelos médicos da TAAG, no sentido de se criar as condições para poder viajar nas suas aeronaves. “O caso dela é prioritário.

O processo dela é de 2014, mas naquela altura não conseguimos enviá-la para a África do Sul por falta de disponibilidade financeira”, justificou a fonte.

Fonte: Angonotícias

Deixe uma resposta