Artigo

Partidos da oposição reconhecem avanços

72 Visualizações

Representantes de partidos políticos da oposição na província do Cunene apontaram sábado, em Ondjiva, “avanços significativos” na liberdade de expressão registados no país, como marca evidente nos dois anos de mandato do Presidente da República, João Lourenço.

O secretário da UNITA no Cunene, Torga Pangeiko, disse à Angop que apesar de não ser ainda efectiva, actualmente as pessoas emitem de forma aberta as suas opiniões. Explicou que outra mudança de João Lourenço, que está a despertar os cidadãos, tem a ver com o combate à corrupção, nepotismo, bajulação e outros males, que emperram o crescimento económico e social do país.

O Executivo deve cumprir e colocar em prática as promessas eleitorais do seu programa, que apontam para a melhoria nos sectores da educação e saúde, lembrou o político, que se manifestou preocupado com a questão da reforma e despartidarização dos órgãos do Estado, desvalorização constante da moeda nacional, e consequentemente a perda do poder de compra.

O secretário do Partido de Renovação Social (PRS) no Cunene, Miguel Ndapewovano, afirmou que a abertura dos órgãos de comunicação social na abordagem de certos assuntos e o sucesso no combate à corrupção são actos positivos que afirmam o país na arena internacional.

Para o político, a actuação do Presidente da República em exonerar figuras do aparelho de Estado e a detenção de altos dirigentes é bastante positiva nas acções de combate à corrupção e à impunidade.

Miguel Ndapewovano disse ser necessário que João Lourenço olhe mais para os problemas sociais da população, sobretudo em relação ao desemprego, enquadramento dos ex-militares e combate à fome e à pobreza.

Desde que assumiu o poder, a 26 de Setembro de 2017, o Presidente João Lourenço apontou como prioridades, o combate à corrupção, a melhoria do ambiente de negócios, a restauração da confiança dos investidores, bem como a colocação, na rota do crescimento, de uma economia que vinha recuando desde 2014.

Fonte: Jornal de Angola

Deixe uma resposta