Artigo

Zonas rurais do país vão ser electrificadas

98 Visualizações

As zonas rurais do país podem beneficiar de energia eléctrica nos próximos tempos, no quadro de um projecto que está a ser implementado pela empresa austríaca Andritz.

A informação foi avançada ontem à imprensa, em Viena, Áustria, pelo vice-presidente do grupo empresarial austríaco Andritz, Alexander Schwab, no final do encontro com o vice-Presidente da República, Bornito de Sousa.

Alexander Schwab anunciou aos jornalistas que, no próximo ano, a empresa vai concluir uma das duas últimas turbinas das seis unidades já  instaladas na barragem de Laúca, no Cuanza-Norte, com 300 megawatts cada.

O grupo empresarial austríaco, segundo o seu vice-presidente, garante também, para o próximo ano, proceder à montagem de quatro turbinas de 9 megawatts cada, na barragem de Luachimo, Lunda-Norte, que estão a ser fabricadas na Alemanha. Para o projecto de electrificação das zonas rurais, a montagem das turbinas em Laúca e Luachimo, segundo o vice-presidente da Andritz, custou mais de 300 milhões de euros.
O director da Andritz para África, Peter Magauer, disse, a propósito, que estes projectos também visam a criação de mais postos de trabalho para a juventude angolana.

Delegação comercial 
No cumprimento da sua agenda de trabalho em Viena, o vice-Presidente da República recebeu ontem, numa das unidades hoteleiras da cidade, uma delegação da VAMED, uma companhia de referência mundial na construção e equipamentos hospitalares.

No final do encontro, o representante do grupo empresarial, Thomas Hinterleitner, manifestou-se disponível em participar na construção, reabilitação e equipamento de mais unidades hospitalares no país.

Visita às Nações Unidas
O vice-Presidente da República, que deixa hoje Viena de regresso ao país, deslocou-se também, ontem de manhã, à sede do Programa das Nações Unidas para as Cidades Inteligentes, no centro de Viena, onde, um dos seus responsáveis, recebeu explicações detalhadas sobre como funciona uma “cidade inteligente”, que integra com recurso à tecnologia serviços de uma cidade convencional e envolve todos os sectores da vida das comunidades.

Numa primeira fase, será criado um projecto-piloto de “cidades inteligentes” no país que, posteriormente, de-verá ser expandido pelo território nacional.

“Do organismo das Nações Unidas colhemos experiências positivas”, disse o secretário de Estado para as Telecomunicações, Mário Oliveira, salientando que, no âmbito da promoção de “cidades inteligentes” foi instalado em várias cidades do país o projecto “Angola Online”, que permite, de forma grátis, aos estudantes e público em geral aceder à Internet. O vice-Presidente da República representou o Chefe de Estado no fórum sobre tecnologias.

 

Fonte: JA

Deixe uma resposta