Artigo

“J’accuse”: Polanski voltou

57 Visualizações

Desde que passou pelo Festival de Veneza, em setembro, que o novo filme de Roman Polanski tem dado muito que falar. Em altura de estreia de “J’accuse”, é inevitável evocar a eterna polémica que rodeia este realizador de cada vez que apresenta um novo trabalho.

A sua vida dava um filme. Aliás, deu vários, desde “A Semente do Diabo”, a “Tess”, passando por “Chinatown” ou “O Pianista”. Ganhou Óscares, Césares, Ursos de Ouro. E tornou-se tão notório quanto controverso.

Aliás, Roman Polanski raramente aparece em público e, quando o faz, é recebido por ativistas da FEMEN, por exemplo, que o perseguem pelas várias acusações de abuso sexual de que é alvo.

Agora, falamos de Polanski porque, este outono, estreia o mais recente filme do realizador : “J’accuse”.

Desta vez, não foi exceção: a passagem da obra pelo Festival de Veneza em setembro, onde muitos o apontavam como vencedor acabou por conquistar o Grande Prémio do Júri, trouxe mais polémica, com a presidente do júri a não esconder de que lado estava.

“Eu não separo o homem da obra. O mais interessante nestes trabalhos é ver transparecer a pessoa que está por detrás. E, como podem imaginar, a presença de Polanski aqui, com todo o seu passado, é muito desconfortável para mim”, declarou a realizadora argentina Lucrecia Martel.

Deixe uma resposta